quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Nas Cordas do Desespero - Capítulo 18 [Web Novela]

18

MAURO VIU OS POLICIAIS CHEGAREM. Eram muitos soldados, todos vestindo o mesmo uniforme e o mesmo semblante. No chão, mutilado pelo ódio de um homem que representava o povo, o assassino das meninas sangrava, mas ninguém sentia peno. Os direitos humanos não funcionavam. Ele era um criminoso, dos piores. Suas atitudes eram hediondas, seus crimes eram absurdos. Ele tinha que pagar, e o preço era caro demais.
—Se afaste —mandou um dos policiais, e Felipe obedeceu, mas não sem antes debochar com seu maior sorriso da incapacidade de Mauro. O policial se voltou para Mauro, que ainda estava ali, jogado ao solo. —Você tem o direito de permanecer calado, e qualquer coisa que disser poderá ser utilizada contra você no tribunal. Entendeu?
Tinha entendido. A justiça não o entenderia, por sua vez. Ninguém acreditaria em suas palavras. Sentiu falta de Luciana. Ela era cega para o mundo. Gostava dele, de ouvi-lo, de acreditar em suas palavras. Apoiava-a. Ali, ninguém o apoiava. Sua vida estava condenada, seu futuro era um fiasco. Mauro não tinha escolhas.
Dobrou os joelhos e começou a se levantar.
—É melhor que não se levante, ou vamos disparar!
Felipe o fitava, ainda sorrindo.
—Esse homem é louco —dizia ele, perverso. —Não deixem que ele se levante. Olhem o que fez àquela garotinha!
Mauro agiu no instinto. Por um momento, era animal, não homem. Louco e faminto como um leão, forte e raivoso como um urso. Jogou-se, a faca em mãos, derrubou Felipe com um golpe certeiro no peito, uma perfuração que o livrou do coração e da capacidade de amar.
Mauro não gritou, não se alterou, mas a faca rugiu dezenas de vezes antes que os policiais tivessem coragem de atirar. Um deles iniciou a execução, abismado por se deslumbrar com aquela visão animalesca que via. O tiro acertou a perna de Mauro. Outro disparo feriu seu braço, um terceiro atingiu seu torso. Vieram outros cinco, então mais dez. O corpo perfurado continuava a esfaquear, Felipe agonizava, espumando. Já estava morto, mas Mauro continuava. Morreria em breve, também.
Sua vida precisava valer a pena.
Tiros e mais tiros, e demorou para que a faca quedasse ao solo, tilintando como um sino que alerta os religiosos o fim de uma cerimônia. Felipe não se mostrava completo, nada além de uma poça de sangue, de um resto de carne disforme. Mauro estava perfurado em lugares distintos, sangrava mais do que um ser humano parece ser capaz de sangrar.
Ficou em pé.
—Por que você não morre?! —gritou um dos policiais. —Depois de tudo, depois de todas as garotas, por que você simplesmente não morre?!
Mauro abriu a boca, queria responder. O sangue vazou por entre seus lábios, escorreu em suas roupas. A boca se fechou, fraca. Curvou-se: era um sorriso. Sorriu, satisfeito. Morreria como culpado, mas era inocente. Morreria como derrotado, mas era um vencedor.
Dobrou-se nos joelhos e, por fim, tombou, e seus olhos se fecharam na queda, de uma vez por todas.

OS TELEJORNAIS NOTICIARIAM A MORTE DO MANÍACO DO CIRCO. As crianças estavam a salvo, os pais se tranquilizariam. Outros homens de sanidade duvidosa veriam naquele caso um exemplo, mas é isso o que os homens sempre fazem: imitam. Idolatram, repetem as loucuras, refazem os mesmos erros. Sempre começa da mesma forma.
Sempre termina igual.
Rubens assistira ao enterro de três de seus funcionários em pouco tempo, e aquilo não seria agradável a nenhuma pessoa. Estava ali, encostado a uma árvore, escapando da chuva. Sempre chove nos enterros. Para Rubens, chovia do céu, não dos olhos. Ele não tinha motivo para chorar. Três pessoas fariam falta por alguns dias, mas eram somente isso: três pessoas.
Ninguém é insubstituível.
Outros funcionários viriam. Outras mulheres interessadas em outros homens, outros candidatos a vagas ambiciosas, outros loucos com dificuldades para se acostumar com a rotina diária do escritório. No fim, todos eles aprendem. Dão seu jeito. Antes deles, alguém fez, e os homens sempre refazem, sempre copiam. Serão sempre homens.
Encostado àquela árvore distante, Rubens ignorava as palavras proferidas em homenagem a Felipe. Um homem de respeito, de atitude, com ideias revolucionárias e uma cabeça bastante adiante de seu tempo, blábláblá. O outro túmulo, de Mauro, estava silencioso. Ninguém falava sobre suas atitudes e seu respeito. Ninguém o venerava. Ninguém sequer se lembrava dele como Mauro. Era um assassino, e só.
—Boa tarde —alguém falou, e Rubens demorou a perceber que a voz se dirigia a ele.
—Ah, oi, me desculpa —falou, enfim, alisando seus bigodes. —Posso ajudar?
—Acho que é meio tarde pra ajudar —disse a mulher. —Você os conhecia?
—Sim. Eram meus funcionários. Difícil de acreditar, não é?
—É sim. Preciso superar essa perda. Queria uma companhia, um ombro amigo para me ajudar. Depois dessa história toda, é muito fácil enlouquecer.
—Nem me fale. Aceita me acompanhar para um café?
—Não sei. Café não deve ajudar muito. Ele tira o sono, e eu preciso dormir. Mas acho que um vinho seria uma boa ideia. Sua casa fica longe daqui?
Rubens sorriu. Por dentro, instintos masculinos apodrecidos despertavam.
—Na verdade, não —respondeu ele. —Considere isso um convite. Talvez eu também precise de um ombro amigo, ou de outras coisas, se é que me entende.
A mulher sorriu.
—Pode ser de grande ajuda.
—É sim. Só não me lembro de seu nome, mocinha, ainda que seu rosto me pareça bastante familiar.
—Familiar? Não acho que nos conhecemos, mas essa é uma boa hora pra consertar isso. Você parece meio abalado, então eu posso te ajudar a esquecer as coisas. Esquecer é sempre bom. Sempre funciona. E meu nome é um tanto que grande demais, então vou simplificar: pode me chamar de Daiana.
—Daiana é um nome bonito. Eu gosto. Não parece tão grande quanto você disse.
—Quem sabe?
Rubens olhou ao redor. O cemitério parecia frio e grotesco, desnecessário.
—Não gosto desse lugar. O que acha de sairmos daqui?
—Era a ideia, não?
Ele deu de ombros.
—Pra falar a verdade, eu nem me lembro do que estava fazendo aqui. Vamos?
Estendendo as mãos para o vento, Rubens caminhou, conversando e rindo com ninguém, enquanto se distanciava do cemitério e da sanidade.

4 comentários:

  1. Welcome to my shop maybe my clothes make you become the most beautiful princess

    زوج من السراويل المريحة تجعل يومك سعيد

    السراويل نمط الجيش

    ResponderExcluir
  2. كل بدلة سوداء
    عرف ما كنت تبحث عن هذا اللباس، وقالت أنها يجعلك أنيقة وأكثر جاذب

    ResponderExcluir
  3. ملاك الجناح قلادة
    دينا الصنعة الجميلة مجوهرات، ذات جودة عالية، كان يتاجر بعيداً أفضل خيار

    ملاك الجناح قلادة

    القلادة جميلة جداً، وكنت وضعت، وقالت أنها أجمل من الملائكة

    ResponderExcluir
  4. Welcome to my shop maybe my clothes make you become the most beautiful princess

    كل فستان الدانتيل الأسود
    يجعل كل فستان الدانتيل الأسود أنيقة يمكنك أن تصبح أكثر نضجاً وجاذبية، إذا أردت، ثم انقر هنا

    ResponderExcluir